Pesquisa personalizada

TENHA MAIS SAÚDE

O principal objetivo desse blog é oferecer dicas, notícias e informações sobre temas relacionados a sua saúde e bem-estar.

CULTIVE SUA SAÚDE ESPIRITUAL:

quinta-feira, 19 de maio de 2016

A resistência aos antibióticos poderá matar em 2050 mais dez milhões de pessoas por ano, ou seja, uma pessoa em cada três segundos, informa estudo divulgado em Londres.


Nomeado pelo governo britânico para conduzir o documento sobre a resistência aos antibióticos, o economista Jim O’Neill destacou a necessidade de ações urgentes para evitar que a medicina preventiva regresse à Idade Média.
“É preciso que isso se torne uma prioridade para todos os chefes de Estado”, afirmou O’Neill, citado pela agência de notícias France Presse, ao propor uma bateria de medidas para enfrentar o problema.
O relatório apela à mudança drástica na maneira de utilizar os antibióticos, cujo consumo excessivo e a má utilização favorecem a resistência das chamadas “super-bactérias.”
O estudo preconiza o lançamento de uma vasta campanha para sensibilizar o público que ignora os riscos. Defende, ainda, a criação de um fundo de investigação; a forte redução da utilização de antibióticos durante a fase de crescimento; ou, ainda, premiar com  milhões de dólares o laboratório que desenvolver uma nova família de fármacos que substituam os antibióticos de forma eficaz.
Mortes
Desde o lançamento do estudo, em meados de 2014, mais de um milhão de pessoas morreram por infecções relacionadas com a resistência aos antibióticos, diz o documento. Ele estima que este balanço pode crescer muito, ao ritmo de mais 10 milhões de mortes por ano até 2050, ou seja, mais pessoas do que o câncer mata hoje.
A eficácia decrescente dos antibióticos preocupa fortemente a comunidade científica. A Organização Mundial de Saúde (OMS) advertiu, em novembro, que o fenômeno representa um “imenso perigo” e que, se nada for feito, o planeta caminha para uma “era pós-antibiótica, na qual as infecções atuais podem recomeçar a matar.”
A resistência aos antibióticos acontece quando uma bactéria evolui e se torna resistente aos antibióticos utilizados para tratar infecções.[Fonte: EBC]

sexta-feira, 22 de abril de 2016

Médicos dizem que o açúcar vicia tanto quanto a cocaína

O açúcar é viciante e afeta o corpo de maneiras similares às drogas pesadas, como a cocaína e a heroína. Aparentemente, os usuários devem ser tratados como viciados.

Os pesquisadores da Queensland University of Technology descobriram que as drogas usadas para tratar dependência de nicotina podem ajudar as pessoas a reduzirem sua ingestão de açúcar.
Drogas como a vereniclina, usadas para tratar o vício em nicotina, também tratam o vício em açúcar nos animais.
“Os números mais recentes do World Health dizem que 1.9 bilhões de pessoas no mundo estão com sobrepeso, enquanto 600 milhões são consideradas obesas”, disse a professora Selena Bartlett, do Translational Research Institute.
O consumo excessivo de açúcar está diretamente ligado ao ganho de peso. O açúcar eleva os níveis de dopamina, que controlam nossa sensação de prazer no cérebro de forma semelhante a muitas drogas pesadas, incluindo o tabaco, a cocaína e a morfina.
Após o consumo de longo prazo, os níveis de dopamina começam a cair. Isso leva a um maior consumo de açúcar, em um ciclo vicioso nada saudável.
Além do ganho excessivo de peso, o consumo vicioso de açúcar pode ter consequências neurológicas e psiquiátricas, que afetam o humor e a motivação.
“Nosso estudo constatou que alguns remédios aprovados pela Food and Drug Administration (FDA), como a vareniclina, podem ajudar a tratar o vício em açúcar”. [Fonte: Yahoo]

segunda-feira, 25 de janeiro de 2016

OMS investiga caso de transmissão do zika por contato sexual

A OMS Organização Mundial da Saúde afirmou nesta segunda-feira (25/01/2016) que está investigando um caso de transmissão do zika vírus por contato sexual, sem dar detalhes de onde e quando o caso teria ocorrido.
"O zika já foi isolado em sêmem humano, e já foi descrito um possível caso de transmissão sexual de pessoa-para-pessoa", afirmou um comunicado da OMS, distribuído pela agência de notícias Reuters. "Mais evidência porém, é necessária para confirmar se o contato sexual é um modo de transmissão."
O relato foi divulgado durante o encontro do painel executivo da entidade, em Genebra, que discute epidemias em escala global. A única via de transmissão confirmada para o vírus é o mosquito Aedes aegypti, mas outras estão sendo investigadas. Não há nenhuma evidência ainda de transmissão pelo leite materno.
Sêmen
Um estudo publicado na revista científica “Emerging Infectious Diseases” em maio de 2011 relata o caso de um cientista americano que, ao voltar do Senegal para os EUA em 2008, quando o país africano era acometido por surto do zika vírus, desenvolveu os sintomas da infecção já em casa, no estado do Colorado.

O fato de sua mulher, que não saíra dos EUA, também ter sido infectada pelo zika foi interpretado pelos pesquisadores como um indício de uma possível transmissão sexual, pelo sêmen, do vírus. A OMS não confirmou, porém, se a investigação conduzida agora se refere a esse caso.
Américas
O mais recente comunicado da entidade afirma que o zika vírus, associado a casos de microcefalia, deve se espalhar por todos os países das Américas, com exceção do Canadá e do Chile.

Segundo a agência internacional, a doença já está presente em 21 países e territórios da região, tendo se espalhado desde março de 2015. A disseminação rápida se deve à baixa imunidade que a população local possui para o vírus, originário da África.
Em áreas continentais, já relataram casos 15 países: Brasil, Suriname, El Salvador, Guatemala, Paraguai, México, Venezuela, Panamá, Honduras, Guiana Francesa, Colômbia, Guiana, Equador, e Bolívia. No Caribe, foram afetados Guadalupe, Martinica, São Martinho, República Dominicana, Haiti, Porto Rico e Barbados.
Viagens
A OMS recomendou às mulheres que viajarem para regiões onde há casos da doença que procurem um profissional da saúde antes e depois da viagem.
Segundo a agência, ainda não está claro por que o vírus parece estar causando microcefalia no Brasil.

A diretora-geral da OMS, Margaret Chan, afirmou em encontro do painel executivo da entidade que pediu a Carissa Etienne, chefe da OMS nas Américas, que produza um novo relatório sobre a situação na região no fim desta semana.
"Apesar de uma ligação causal entre a infecção por zika na gravidez e a microcefalia não ter sido estabelecida, e enfatizo que não o foi, a evidência circunstancial é sugestiva e extremamente preocupante", afirmou Chan. "Um aumento na ocorrência de sintomas neurológicos, percebida em alguns países em coincidência com a chegada do vírus, se soma à preocupação." [Fonte: G1]

segunda-feira, 26 de outubro de 2015

Linguiça, bacon e presunto são cancerígenos, diz OMS

Um novo relatório da Organização Mundial da Saúde (OMS) afirma que o consumo de carne processada - como bacon, salsichas e presunto - causa câncer.
Segundo o documento, 50 gramas de carne processada por dia, o equivalente a duas fatias de bacon, aumentam a chance de desenvolver câncer colorretal em 18%.
De forma mais branda, pela falta de provas mais contundentes, a organização também reforçou o alerta em relação à carne vermelha, dizendo que ela seria "provavelmente cancerígena".
De acordo a correspondente da BBC em Genebra, Imogene Foulkes, no caso da carne vermelha o "quadro não é tão claro".
"O estudo mostra provas limitadas de que comer carne bovina, carne de porco ou cordeiro pode causar câncer, mas outras explicações não podem ser descartadas", afirmou.
A correspondente da BBC afirmou ainda que a OMS destaca que o consumo baixo de carne traz benefícios à saúde, mas os consumidores precisam saber que também existem riscos e comer carne com moderação.
A carne vermelha é uma grande fonte de ferro, zinco e vitamina B12.

Aditivos

Carne processada é a carne que foi modificada para aumentar seu prazo de validade ou manipular o gosto. São as carnes defumadas, curadas ou que receber aditivos como sal ou conservantes.
São estes aditivos que podem aumentar o risco de desenvolver câncer.
A OMS chegou a essas conclusões após aconselhamento de sua Agência Internacional para Pesquisa do Câncer, que avalia os melhores dados científicos disponíveis.
Com isso, a carne processada passa a estar na mesma categoria que plutônio e bebidas alcoólicas, substâncias que comprovadamente causam câncer.
No entanto, isso não significa que consumir bacon, por exemplo, seja tão ruim quanto fumar.
"Para um indivíduo, o risco de desenvolver câncer colorretal (no intestino) por causa do consumo de carne processada continua pequeno, mas este risco aumenta com a quantidade de carne consumida", disse Kurt Straif, da OMS.
Para o professor da Universidade de Oxford Tim Key, que também é membro da organização beneficente britânica voltada para pesquisa do câncer Cancer Research UK, é uma questão de moderação.
"Esta decisão não significa que você precisa parar de comer qualquer tipo de carne vermelha ou processada, mas se você come muito, há boas razões para pensar em diminuir. Comer bacon de vez em quando não vai causar muito dano - uma dieta saudável é baseada na moderação", afirmou.

segunda-feira, 5 de outubro de 2015

Descubra os riscos que tomar uma ou duas latas de refrigerante por dia traz para sua saúde

Se você ainda não ouviu o suficiente sobre o assunto, pesquisadores de Harvard divulgaram um novo relatório apontando os riscos de consumir refrigerante diariamente. 
(Foto: Getty Images)
De acordo com o artigo publicado no Journal of American College of Cardiology, consumir bebidas muito açucaradas, como aquelas adoçadas com xarope de milho ou sacarose, pode levar ao aumento do risco de obesidade, diabetes tipo 2 e doenças cardiovasculares. Na verdade, os especialistas envolvidos no estudo descobriram que apenas uma ou duas latinhas destes produtos por dia aumentam os riscos de: 
  • Ataques cardíacos ou doenças cardíacas fatais em 35 por cento
  • Desenvolver diabetes tipo 2 em 26 por cento 
  • Enfarto em 16 por cento 
“Isso é particularmente preocupante, já que muitas pesquisas mostram que consumir uma ou duas bebidas adoçadas com açúcar por dia, aumenta o ganho de peso e a obesidade”, disse o pesquisador Frank Hu, MD, PhD, professor de nutrição e epidemiologia na Harvard T.H. Chan School of Public Health, em uma declaração formal. “O consumo regular de bebidas adoçadas com açúcar pode levar ao ganho de peso porque as calorias líquidas não fazem a pessoa se sentir satisfeita, então ela não reduz a ingestão de alimentos nas refeições seguintes”. 
Embora o consumo global das bebidas açucaradas tenha diminuído, elas continuam sendo a maior fonte de ingestão de açúcar nos Estados Unidos. Estima-se que 50% dos americanos tomam esses tipos de bebidas, todos os dias. Para 25% destes consumidores, isso traz um aumento de 200 calorias diárias. Em 5% dos casos, esta ingestão chega a aumentar em 500 calorias diárias. 
Os pesquisadores explicam que, ao contrário da glicose (outra forma de açúcar), que é absorvida na corrente sanguínea e pode ser usada como combustível, a frutose, o tipo de açúcar usado para adoçar a maioria dos refrigerantes, é metabolizada no fígado e convertida em compostos gordurosos. O resultado disso é uma maior chance de esteatose hepática e resistência à insulina, um fator de risco para o desenvolvimento de doenças cardiovasculares e diabetes. 
“Estas conclusões não me surpreendem”, diz Keri Glassman, nutricionista e fundadora da Nutritious Life, ao Yahoo Health. “Já faz um tempo que sabemos que as calorias provenientes do açúcar, especialmente em sua forma líquida, são extremamente ruins para nós. Elas nos afetam a nível hormonal e aumentam significativamente o risco de doenças”. 
Glassman explica que a ausência de nutrientes nestes tipos de bebidas “faz com que você não se sinta nada saciado, levando-o a comer ainda mais”. Além disso, bebidas feitas com frutose, como aquelas que são adoçadas com xarope de milho, “são absorvidas rapidamente por nosso sistema e transformadas em gordura”. 
Para os amantes de refrigerantes, Glassman sugere a troca da Coca-Cola pela água com gás. “Adicione pedaços de fruta para adoçar a bebida”. Outra boa opção de bebida sugerida por ela, é o chá de ervas gelado sem açúcar. 
Os pesquisadores concluíram seu relatório com a seguinte declaração: “Por mais que apenas reduzir o consumo de bebidas adoçadas não resolva a epidemia de obesidade por si só, limitar a ingestão destes produtos é uma mudança simples, que terá um enorme impacto no controle de peso e prevenção de doenças cardio-metabólicas”. [Fonte: Yahoo]

Assista o Documentário "A Carne é Fraca" Aqui:


Pesquisa personalizada